segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Um brinde a Adão e Eva


Sempre gostei de procurar por textos de idiotas na internet. Passei muito tempo olhando páginas falando mal do Marilyn Manson e também fui longe lendo textos de websites chamados "Citizens for..." alguma coisa. Como exemplo, cito o "Citizens for Community Values", uma associação auto-denominada 'protetora dos valores judaico-cristãos', etc. Vocês podem ver como esse pessoal pensa observando a opinião deles sobre a separação entre igreja e estado. Resumindo: separar igreja e estado é um erro.

Pois bem, hoje a Deb me mandou um texto muito representativo de uma opinião parecida: se chama "Um brinde ao Big Bang" e pode ser encontrado aqui. O texto é assinado pelo pastor (?) Carlo de Abreu Lopes e contém o argumento (já muito repetido) de que é disperdício gastar 8 bilhões de dólares com o LHC.

Esse dinheiro podia ser usado para acabar com a fome da África, descobrir a cura do câncer e da AIDS, etc, segundo o nosso pastor. Claro. Assim como os 700 bi que foram aplicados para salvar os bancos norte-americanos. A guerra do Iraque custou até agora, segundo fontes confiáveis, quase 600 bi. Dava para construir quase 75 LHC's.

Mas vamos deixar a guerra do Iraque de lado, já que ela não tem nada a ver com ciência nem com religião(?). Vamos só imaginar, sem colocar em números, quanto é gasto para construir igrejas, templos, monumentos religiosos. Quanto vale o Vaticano? Quanto valem os templos da Universal? Será que algum desses grandes religiosos fazem algo para realmente mudar a vida das pessoas?

A AIDS também poderia ter sua epidemia reduzida se as religiões do mundo adotassem um mínimo de bom-senso e aceitassem o uso de preservativos.

Isso sem contar as isenções de impostos que são ganhas pelas igrejas. Se as igrejas deixam de pagar impostos, alguém está pagando mais pra cobrir as contas. Você, eu, todo mundo. Quanto vale a tinta que é usada para imprimir "Deus seja louvado" nas nossas notas de real? O dinheiro para o LHC talvez, algum dia, se reverta em algo prático para a população. O "Deus seja louvado" nas notas, tenho certeza, nunca vai servir para nada - nem mesmo para quem é religioso.

Muita gente não entende muito bem como funciona pesquisa básica. É difícil entender como um investimento de 8 bi (que citado assim, parece e é realmente gigantesco) pode no futuro trazer benefícios para as pessoas que, indiretamente, investiram no projeto. Sim, porque se você for parar para pensar, uma pequena parte dos seus impostos vai para a Unicamp - que por sua vez paga bolsistas e professores que também colaboram no LHC. Ou seja, você também está investindo. Proporcionalmente pouco, mas a idéia é a mesma.

O próprio CERN tem um texto muito interessante sobre a discussão entre pesquisa básica e pesquisa aplicada que pode ser lido aqui. Podemos citar, por exemplo, que o computador utilizado pelo nosso querido pastor para escrever suas bobagens surgiu, entre outras idéias, de um físico interessado em descrever fenômenos eletromagnéticos. E a energia elétrica que o computador utiliza foi também um dia pesquisa básica, coisa de maluco que não servia para nada. Como já disse Faraday sobre o assunto, "E para que serve um bebê?".

Um comentário:

Arthur Tavares disse...

Se conseguirmos provar a existencia e, posteriormente, manipularmos o boson de higgs, poderemos viabilizar a tecnologia de teletransporte.

Sabem como o teletransporte está sendo projetado até o presente momento?

Você entra em um tubo e sensores colhem toda a informação do seu corpo (tamanho, massa, cor, disposição das moléculas e átomos, etc...);
Então, a informação é transportada até o local de origem;
(No mesmo momento, seu corpo é destruído)
No destino, através de manipulação da matéria, reconstrói-se o corpo da pessoa, seguindo a "receita" contida na informação, na origem.

Assim sendo, com certa habilidade, poderíamos "salvar" a "receita" de um corpo saudável, e irmos adicionando as memórias atuais a cada teletransporte.

Assim, sempre que você se teleportar, pode ter sequencia de memória, habilidades, conhecimentos e emoções, mas sempre com um corpo ideal, em plena saúde física.

Mas... como o pastor disse, é bobagem...