segunda-feira, 17 de março de 2008

O senhor Certo

O senhor Certo está sempre certo e nunca comete nenhum erro. Se o senhor Certo comete algum erro, é porque alguma variável que não era controlada pelo senhor Certo interferiu em sua decisão e, com a informação que ele tinha, o certo era fazer o que ele fez.

O senhor Certo gosta de futebol, e não consegue fazer uma refeição sem arroz e feijão. O senhor Certo acha que essa é a comida certa, mas respeita outras opiniões (porque isso também é certo, pelo menos nesse caso). O senhor Certo imagina que no mundo todo, Japão, África e Indonésia, todos fingem que comem coisas diferentes mas, quando ninguém está olhando, voltam ao arroz e feijão (que é a verdadeira comida, todo o resto parece lanche para o senhor Certo).

O senhor Certo é católico não praticante. Ele não gosta de evangélicos, mas evita qualquer opinião conflitante quando está próximo a um deles. O senhor Certo não sabe do que se trata a religião budista, islâmica, judia ou hinduísta. Para ele, é tudo mais ou menos a mesma coisa, não-certo.

O senhor Certo condena o imperialismo norte-americano e a figura caricata de George Bush mas, nas conversas de bar, luta contra o aborto, a favor da pena de morte e pelo direito do Brasil invadir a Bolívia por conta dos problemas com a Petrobrás. O senhor Certo não acredita que haja nenhuma contradição entre esses termos.

Sempre que a conversa desvia para algum assunto que o senhor Certo não domina, ele silencia. O senhor Certo só fala sobre as coisas de que está 100% certo. Se o senhor Certo não conhece o assunto, este simplesmente não interessa; caso interessasse, o senhor Certo já estaria certo sobre isso também. O senhor Certo nunca discute; ele expõe sua certa opinião e, ao ouvir argumentos contrários, ele afirma: "cada um, cada um" como se, por um momento, acreditasse que há a possibilidade de ele estar errado. Mas sabemos que isso não é possível.

O senhor Certo abomina a dúvida e as nuances, não entende jogos de idéias. O senhor Certo acredita que a teoria é para quem não entende da prática. O senhor Certo lê frequentemente livros técnicos de sua área, mas nunca conseguiu chegar à décima página de 'O Pequeno Príncipe'.

Caso, por algum motivo desconhecido, o senhor Certo chegasse a ler todas essas linhas (que seriam normalmente descartadas por falta de utilidade) ele teria dificuldade de encontrar aqui qualquer crítica.

"I am never wrong. Once, I thought I was wrong, but I was wrong."

5 comentários:

Deh disse...

...momento de revolta?

Daniel Almeida disse...

"Foi o Senhor Certo, com o candelabro, na sala de estar."

:-D

André T. disse...

Hahahaha! O senhor Certo acertou o senhorita Torta e a dona Errada.

Inilein disse...

Eita crítica! É engraçado como eu consigo ver vc pensando isso no meio de uma conversa... Me surpreendes, moço!
Beijo e boa páscoa! E um super beijo pro coisa linda do Alê!

Arthur Tavares disse...

Taurino's Facts...