quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Mais um round perdido

Acordo entre Brasil e Vaticano passa na Câmara

Criticado por amplos setores da sociedade, como a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o texto acabou aprovado em votação simbólica após a costura de uma negociação com a bancada evangélica, muito forte no Congresso, para estender os privilégios às demais religiões. O acordo seguirá agora para apreciação do Senado.

Mais gente pra aproveitar dos recursos infindáveis do nosso governo federal:

1. Ensino religioso nas escolas.
Qual é o problema de ensinar religião pras crianças na *igreja*? Eu já acho isso um pouco controverso, mas até aceito.

2. Isenção fiscal para rendas e patrimônios de pessoas jurídicas eclesiásticas. (Isso *pode* querer dizer que, por exemplo, uma editora ou um canal de TV comprado por uma igreja pode ter isenção de impostos)

[ironia]Como imposto é algo super bem administrado no Brasil, não acho que vá haver qualquer problema. Além disso, todas as religiões são profudamente morais em sua essência e nunca se aproveitariam de um benefício injusto.[/ironia]

11 comentários:

Kal disse...

Ei Andre,

Gostei muito do seu blog. É divertido sem ser chato, é inteligente sem ser pedante. Me fez lembrar os bons tempos em que eu mantinha blogs e ria sozinha diante do pc. Favoritei e vou voltar sempre. Ah! Adorei o post da Marina. É legal ver alguém discordar do que a massa tendenciosamente resolve agitar os braços. Não sabia que ela era criacionista - o que me deixa com os pés atrás. :p

Abraços

Karla (Lua, do Clube Cético)

André T. disse...

'É divertido sem ser chato,'
Mas tem como ser divertido e chato ao mesmo tempo? :D

Obrigado pelos elogios e pela visita, volte sempre :)

Kal disse...

:P

Algumas coisas começam divertidas e terminam da mesma forma. Outras começam divertidas e caem na mesmice e no humor repetitivo e óbvio demais.

Acho que agora fui clara.

Lua

André T. disse...

Você já tinha sido clara, eu só estava sendo chato :D

Henrique Rossi disse...

André,

Esse texto está impreciso. A boa argumentação passa pela demonstração sólida dos problemas, senão é como os gases: inconstante e rarefeita.

Materialize sua idéia, demonstrando-a!

Confio na sua sua inteligência. Não repita lugares comuns: aponte o que não presta no projeto de lei aprovado, senão remova o post infeliz.

Ou você vai dizer que prefere que as relações do Brasil com o Estado mais antigo do mundo sejam baseados em uma lei do séc. XIX? Você provavelmente prefere que não haja lei nenhuma? Defenda seu ponto de vista com argumentos.

Note bem, não estou elogiando a lei. Digo solenemente: não a li. Acho que tenho mais o que fazer. A diferença, parece-me, é que eu escrevo somente sobre coisas que posso provar, assim abstenho-me do grande vexame que é falar bobeiras.

André T. disse...

Henrique,

Meu blog é um blog, não um lugar para fazer ensaios. Se eu acho que um assunto merece uma atenção mais detalhada e se eu estou com vontade e paciência pra fazer tal análise, eu faço. Se eu não estou, não faço. Meu espaço.

Aqui tem uma entrevista interessante sobre o assunto com um juiz. Sobre a isenção fiscal, considero ridícula a possibilidade da igreja não precisar pagar impostos, por exemplo, sobre uma casa da qual recebe aluguel. Foram feitas análises em vários lugares da internet e não é nem um pouco difícil de procurar. Eu ia colocar o link quando postei, mas acabei esquecendo e agora vai ficar assim.

Peço desculpas se te deixei ofendido com o que disse no seu blog sobre a TE. Mesmo assim, não preciso da sua aprovação.

Ou você vai dizer que prefere que as relações do Brasil com o Estado mais antigo do mundo sejam baseados em uma lei do séc. XIX? Você provavelmente prefere que não haja lei nenhuma? Defenda seu ponto de vista com argumentos.

Prefiro que não haja aula de religião na escola pública e que não aula haja aula de evolucionismo na aula de catecismo. Simples. Nem entendo porque precisaria desenvolver isso, que pra mim é óbvio.

A diferença, parece-me, é que eu escrevo somente sobre coisas que posso provar, assim abstenho-me do grande vexame que é falar bobeiras.

Ainda estou esperando você me provar que cientistas são imbecis, que Obama é socialista e que evolucionistas (inclusive eu) querem exterminar os negros. Ah, e os cientistas atribuindo o que não entendem ao acaso.

Vou deixar bem claro: você e o Bandeirante são muito bem-vindos, suas opiniões trazem diversidade e debates que eu considero interessantes. Mas eu escrevo porque gosto, sobre o que eu tiver vontade, na hora em que eu quiser.

Henrique Rossi disse...

Você tá certo André!

Meu blog é um blog, não um lugar para fazer ensaios. Se eu acho que um assunto merece uma atenção mais detalhada e se eu estou com vontade e paciência pra fazer tal análise, eu faço. Se eu não estou, não faço. Meu espaço.

Eu concordo com isso!

Ainda estou esperando você me provar que cientistas são imbecis, que Obama é socialista e que evolucionistas (inclusive eu) querem exterminar os negros. Ah, e os cientistas atribuindo o que não entendem ao acaso.

1 - Alguns cientistas são imbecis: estendi a afirmação a todos deliberadamente para provocar polêmica!

2 - Obama não é exatamente socialista. Porém, sua formação política é inegavelmente de extrema esquerda. O texto da caricatura do Coringa está mais para análise do que se pensa a respeito dele do que para uma análise dele, propriamente dita.

3 - Evolucionistas, você incluso, não procuram exterminar negros deliberadamente. Porém, muitos dos que abraçam esta crença de forma quase religiosa parecem concordar com Malthus, e concluem mais ou menos assim: "a nobreza da espécie humana está indo embora. Precisamos impedir que os espécimes inferiores sejam salvos pela seleção artificial levada a cabo pela medicina. Precisamos que, tal como ocorre com os outros animais, o homem sofra um processo de seleção natural". Ou não é assim? Veja bem, por enquanto, esta é a impressão que eu tenho - talvez esteja errado.

4 - Quanto aos cientistas atribuindo fenômenos desconhecidos ao acaso vemos todo dia e toda hora.

Você está coberto de razão quando diz que escreve sobre o que gosta, na hora que bem entender. Continue assim. Essa é a lei de todos os que escrevem bem. Só que restringir seu texto à impressões reduz sua eficácia argumentativa. Não nos esqueçamos que todos os textos vendem idéias. Assim que abre a boca, comunicando-se, o homem perde a sua neutralidade que é, aliás, restrita aos medíocres que se recusam a pensar, como bem podemos observar ao nosso redor.

André T. disse...

Gostaria que você citasse um exemplo de um cientista atribuindo um fenômeno natural *que não entende* ao acaso. Eu não me lembro de ter visto isso nenhuma vez.

Como já disse antes no seu blog, nas duas situações em que me lembro que o acaso faz parte da descrição de um fenômeno natural ele é documentado, experimentado, provado.

André T. disse...

"a nobreza da espécie humana está indo embora. Precisamos impedir que os espécimes inferiores sejam salvos pela seleção artificial levada a cabo pela medicina. Precisamos que, tal como ocorre com os outros animais, o homem sofra um processo de seleção natural"

Conheci mais de uma pessoa que fala essas besteiras e, nos dois casos em que isso ocorreu, não eram pessoas nem um pouco científicas. Como eu já citei antes, o Dawkins, que é visto como o maior 'pregador' da 'religião' da evolução, diz em vários e vários momentos que usar a seleção natural como um guia moral é um erro crasso. Mas é claro que disso ninguém fala, já que interessa criar a imagem do ateu malvado.

Existem idiotas que usam de qualquer artifício para pregar idiotices, entre eles religião e ciência. Me vem imediatamente à mente a imagem do pastor evangélico que, depois do julgamento sobre o design inteligente em Dover, disse que 'se houver um desastre natural em Dover, não peçam nada a Deus, peçam a Darwin.' Como se Deus o estivesse ouvindo e colocando em sua lista de 'lugares pra explodir porque não aceitam a explicação bíblica literal' fornecida pelo pastor.

Além disso, não vou entrar no mérito da discussão por que não vem ao caso, mas o que você disse no post é muito diferente do que está dizendo agora.

Henrique Rossi disse...

Me vem imediatamente à mente a imagem do pastor evangélico que, depois do julgamento sobre o design inteligente em Dover, disse que 'se houver um desastre natural em Dover, não peçam nada a Deus, peçam a Darwin.'

Que sujeitinho imbecil. Lembra os judeus que acham que Deus destruirá Israel porque os homossexuais não estão sendo perseguidos. Veja bem, não sou a favor da equiparação do relacionamento homossexual ao heterossexual. Mas o que dois homens ou duas mulheres fazem entre quatro paredes não é da conta de ninguém, só deles.

Quanto ao negócio do acaso vou ter que silenciar. Mas se prepare: no primeiro instante que eu cruzar com um texto ou vídeo de um eminente cientista atribuindo ao acaso os fenômenos não conhecidos eu te aviso. Já vi isso um milhão de vezes.

Suzana Elvas disse...

Ui, era fã da patroa e, pela Naomi St. Potato descubro que o patrão também tem blog.

Quando Alê começar a escrever avise-me, pois não? Abro pastinha exclusiva nos Favoritos para a Família Buscapé.
Vou e volto já.
Abs

Suzana