quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Um rompante cinematográfico

Tenho franca intolerância com alguns tipos de história. Stephen King, por exemplo, me irrita profundamente. Todo aquele dualismo do bem contra o mal, toda aquela repetição épica. Argh. O problema não é que os personagens sejam rasos; o problema é o tom de grandiosidade em uma história que essencialmente não diz nada.

Eu aceito histórias que não me digam nada, com a condição de que não sejam pomposas.

Um exemplo que cito volta e meia é aquele 'À espera de um milagre', que aparentemente veio de um livro dele. A história é, no mínimo, uma coletânea de clichês. Um homenzarrão que é super bonzinho; check. Um crime que não foi cometido pelo homenzarrão bonzinho; check. Pessoas boas que gostam do homenzarrão bonzinho; check. Pessoas ruins que não gostam do homenzarrão bonzinho; check. Isso sem contar a ridícula associação do homenzarrão com Jesus. A diferença é que o Jesus de Stephen King tem um upgrade que permite matar pessoas ruins quando assim lhe convém.

'Coisas ruins acontecem a pessoas boas.', é o que Stephen King nos diz. Jura? Eu não sabia!!!

'O caçador de pipas' também irrita, mas por um motivo diferente. Pelo visto, todos os autores de histórias sobre o Oriente sentem uma compulsão terrível de 'ligar as pontas' (bom, pelo menos nas histórias pra inglês ver). A história é até boa, os personagens até fazem sentido, até dá pra aguentar o dramalhão: mas nããão, tem que ter a cena final em que o bandidão do início da história aparece para enfrentar o mocinho. Não pode ser outro conflito, outro desenvolvimento, não! Tem que ter a marca do estava escrito, senão não é Oriente.

'Coloca mais insinuação de destino senão a dona Cotinha que gosta de assistir a Ana Maria Braga não vai entender', diz o editor para o escritor de 'Sua resposta vale um bilhão'. E a dona Cotinha, o seu Jaime, a stephanny (te amo guuuu) e sua melhor amiga mahhhhzinha todos adoram e choram e dizem que é o filme da vida deles. Até surgir a continuação de 'Dois filhos de Francisco', claro. Saco.

19 comentários:

Suzana Elvas disse...

Nossa, eu tô pra baixo mas você tá num mau humor do cão, hein?

;o)

André T. disse...

Assim o blog fica mais divertido! hahahaha

Deh disse...

hahaha, que beleza, alguém tomou de mim o posto de mal humorada da casa! ;)

Henrique Rossi disse...

André,

Li no Olavo que o Dawkins está afirmando que a origem da vida é extraterrestre. Fui checar a net e, apesar de não ter encontrado uma fonte confiável, o consenso parece mesmo ser esse. Você tem alguma coisa (texto, vídeo) do Dawkins fazendo essa afirmação?

Não me lembro de God delusion fazer este tipo de menção.

Abraço, Rossi

André T. disse...

Já te respondo. Me dá um tempinho.

André T. disse...

Então, vamos lá.

Há alguns anos atrás um cara chamado Ben Stein fez um 'documentário' defendendo o design inteligente. O Dawkins não sabia quem ele era e aceitou fazer uma entrevista. Foi ela que gerou todo esse tumulto. A entrevista pode ser vista aqui:
http://www.youtube.com/watch?v=Mzi2sHTp-cU

Depois de 4 minutos o Dawkins aparece.

Bom, o Ben Stein força o Dawkins a falar sobre a possilidade de eventualmente algum designer coordenar a evolução na Terra. O Dawkins diz que a única possibilidade que ele imagina é a de uma raça muito avançada tecnologicamente 'semeie' a vida por aqui. Ele não acredita nesse ponto de vista pessoalmente e deixou isso muito bem expresso no livro que lançou depois.

Note que o vídeo é poderosamente editado. O Stein faz uma pergunta sobre a origem do céu e da terra e o Dawkins responde a ele falando de Abiogênese. Não faz sentido. Ele falaria do Big Bang, falaria de cosmologia, não da origem da vida.

E depois Dawkins diz que nem imagina como ocorreu a Abiogênese? Existem várias e várias experiências demonstrando que isso é possível (apesar de ainda não ter sido plenamente reproduzido). Até eu sei disso, imagina ele, que pensa nisso 20 horas por dia e já escreveu mais de um livro sobre o assunto.

É praticamente certeza de que as perguntas e respostas foram editadas radicalmente e que o Ben Stein fez uma festa com o vídeo original. O que o Dawkins fala, não há como saber se é sobre a pergunta que foi feita ou alguma outra pergunta qualquer que foi cortada do vídeo final.

Outra observação: esse Ben Stein é um patife. Foi humilhado em um tribunal americano por conta das besteiras que fala e continua por aí, repetindo as mesmas asneiras e causando essa confusão toda.

E o artigo do Olavo é lamentável. Ele mais uma vez se acha no direito de falar do que não entende (dessa vez, memética) e repete a analogia totalmente descabida do furacão gerando uma sinfonia. Enfim, parece que o que ele quer é alimentar o séquito de ignorantes que realmente acham que ele refutou Kant, Cantor, Newton. Parece piada.

Mariana. disse...

"a stephanny (te amo guuuu) e sua melhor amiga mahhhhzinha todos adoram e choram e dizem que é o filme da vida deles".

HAHAHAH, fazia tempo que não passava por aqui, valeu apena. Mas não vejo problema nenhum em ver filmes 'que não me digam nada'.

Embora, claro, eles não se tornarão o filme da minha vida. Jamais vou dizer algo do tipo 'aiii, o Humberto Gessinger fez aquela música pra mim'. É patético, mesmo.

Henrique Rossi disse...

Ah, então a ideia de que o Dawkins credita a vida a um fenômeno extraterrestre é pura presunção? Ai, que pena! Estava doidinho para que ele realmente acreditasse nisso.

Henrique Rossi disse...

Peraí. Estive cá pensando...
O Dawkins nega em livro o que afirma verbalmente durante uma conversa informal? Você está então dizendo que tudo não passou de uma brincadeira que ele fez com um fanático religioso, é isso, né? Porque na verdade ele pensa o oposto? Hum.. Estou confuso..

André T. disse...

O que eu disse é que ele disse que é possível mas que não acredita.

Henrique Rossi disse...

Ah!! hehehe vi o vídeo. Isso muda tudo.. Sabe o Ariel? Igualzinho o Dawkins na acidez.. Eles devem achar que ironia e falta de educação são características de quem está com a razão... Mas vou te contar, esse Dawkins sempre encontra uma nova maneira de me supreender.

Você sustenta o quê em relação aos pontos de vista dele? Veja bem: não estou te pondo contra a parede. Estou somente perguntando - o que você acha que o Dawkins realmente pensa? Algo como: "Não sei direito. Há muitas possibilidades para o início da vida, dentre as quais poderíamos destacar que um criador inteligente extraterrestre tenha semeado a vida em nosso planeta"?

André T. disse...

O Dawkins não foi irônico nem faltou com educação no vídeo. Quem me surpreende é o OdC, que mais uma vez emite opiniões sobre o que não entende pra convencer quem não pesquisa as fontes que ele não cita.

Você quer saber dos meus pontos de vista ou dos do Dawkins?

Como eu disse, ele acredita, como eu, que a vida começou na Terra há milhões de anos atrás através de um processo que pode ser explicado quimica e geologicamente. As evidências que temos apontam para isso. E como eu já disse, ele fala disso no livro.

Henrique Rossi disse...

Quero os seus também, mas não agora. Por hora, gostaria de saber o que você pensa a respeito das declarações de Dawkins neste vídeo: se há ou não contradição com sua obra, se ele efetivamente nega em livro o que disse nessa entrevista, se você acha que ele estava de brincadeira quando disse aquilo, porque, a mim, parece que ele não estava nada de brincadeira. Parece-me que, na falta do que achar, ele pensa qualquer bobeira lhe ocorrer.

André T. disse...

Como eu já disse duas vezes antes, ele não nega, ele só não acredita que seja isso que tenha ocorrido, apesar de aceitar a possibilidade. E mesmo no vídeo ele diz que se a panspermia de fato ocorreu, a origem da vida teria que ser explicada lá no outro planeta.

Vamos lá, continue na sua busca desesperada por contradições :)

Henrique Rossi disse...

Vixe, não estou em busca desesperada nenhuma, não... Acho que você colocou bem a questão, mas ficaram vários pontos em aberto. No vídeo ele não disse que não acredita, pelo contrário, ele soa muito favorável à tal panspermia. A questão era se a obra escrita nega, o que, pelo visto, não faz. Então, ainda que a contragosto, a posição do Olavo se justifica.

André T. disse...

Claro. Porque na dúvida entre o ateu e o paspalho charlatão cristão, sempre ficamos com o cristão.

Henrique Rossi disse...

hahaha Você às vezes surta do nada! O que isso tem a ver com o mérito do que, até então, estava sendo discutido???????? Que dúvida você está mencionando????? Não houvessem Olavo e Dawkins sobre a face da terra e eu tivesse a mesma cabeça não estaria em dúvida nenhuma...

André T. disse...

Não surtei do nada. O que aconteceu é que te expliquei o que o Dawkins disse e você finge que não entendeu pra sobrar razão pro Olavo, que não tem.

1 - O Dawkins dá uma entrevista a um defensor do Design inteligente, chamado Ben Stein.

2 - O Ben Stein faz uma pergunta se seria possível que de alguma forma algum designer desse origem à vida na Terra e guiasse a evolução.

3 - Dawkins diz que seria possível que uma raça avançada tecnologicamente espalhasse a vida na Terra e que nesse caso seria possível encontrar evidências para esse tipo de designer. Ele afirma claramente, até no vídeo do Ben Stein, que a origem da vida da espécie avançada teria que ser fundamentalmente explicada.

4 - Dawkins escreve um livro falando da origem da vida na Terra e cita os experimentos diversos sobre abiogênese. O que ele afirma em (3) não é negado, e continua exatamente como era: uma hipótese.

5 - Olavo de Carvalho presumivelmente vê o documentário de Ben Stein, tira as partes que não lhe interessam, e comenta sobre partes do raciocínio do Dawkins que lhe convém. Ele cita como se fosse uma falácia do raciocínio de Dawkins algo que ele, Dawkins, tinha endereçado na mesma frase em que falou da panspermia. Olavo não está interessado que Dawkins fale algo criterioso, então finge que Dawkins não disse o que disse depois e comenta sobre o resto. Fala também um sem-número de bobagens sobre Memética e confunde com TE, falando mais bobagem ainda.

6 - Você lê o artigo de Olavo e gosta dele, porque não gosta de Dawkins. Você procura as referências (não citadas no artigo, presumivelmente porque não corroboram o que o Olavo escreveu) e não encontra.

7 - Você vem ao meu blog e me pergunta o que perguntou. Eu explico, uma, duas, três vezes, quatro vezes e você continua achando que o Olavo está certo, apesar de longas e detalhadas explicações em contrário. E ainda acha estranho que eu perca a paciência.

Bom, pense o que quiser. Só acho que se for pra se agarrar nas besteiras que o Olavo fala, nem precisa perguntar nada.

Henrique Rossi disse...

Mas não estou agarrado ao que o Olavo fala. Estou entendendo melhor a questão agora. Não se zangue à toa. Sempre estou do lado da verdade e (é meu costume) sou sempre razoável.

Até ontem estava muito favorável ao Ato Médico que, segundo os e-mails que minha irmã está trocando com um senador, será aprovado. No entanto, após uma conversa um pouco mais cuidadosa com ela (que é psicóloga), vi os defeitos do projeto de lei (que não excluem as suas óbvias virtudes).

Meu interesse nessa questão, você já deve ter intuído, é estético. Minha natural antipatia pelo Dawkins seria reforçada caso houvesse da parte dele a crença de que um processo alienígena poderia ter atuado no surgimento da vida na Terra (note o verbo no futuro do pretérito), o que é verdade! Ele pensa assim. O que não significa que ele pense somente assim (se é que eu de fato entendi a questão). E isso não tem absolutamente nada ver com o Olavo de Carvalho - ele tão somente avisou que o Dawkins pensa assim, o que não exclui (concordo perfeitamente contigo) que ele tenha feito uma leitura parcial das visões do Dawkins.